Sinopse

Há quinze anos que a economia de Portugal não cresce. Apesar da expansão nos anos de 1950 a 1973 e da segunda metade da década de 1980, assim como de uma evolução razoável após a intervenção da troika e antes da Covid-19, o PIB per capita estagnou desde 2005. Dado este comportamento medíocre, a economia portuguesa tem divergido face à média europeia e os indicadores sociais do país têm melhorado muito lentamente. O presente ensaio actualiza uma radiografia crucial iniciada em 2010. Na raiz e complexidade do problema da economia portuguesa, identifica a fraca produtividade, decorrente da protecção do sector não-transaccionável, a que não são alheios os grandes projectos políticos pós-revolução: o Estado-Providência, a União Europeia e o euro. E avisa: o regresso da dependência do cordão umbilical das transferências europeias para manter um ritmo mínimo de crescimento económico não é garantia de uma evolução sustentada.
Veja o vídeo de apresentação da obra em youtu.be/FJKtrTNpXzc